Porque quando estamos fazendo algo muito bom parece que o tempo voa e quando estamos sofrendo o tempo não passa?

O relógio Neural
A diferença entre o tempo real e nossas sensações de tempo.

 Dentro de nossas unidades cérebro-mente, existem vários relógios internos e um deles é muito importante pois, permite quantificar mínimas frações de tempo. Este relógio é formado por neurônios que fazem o caminho de ida e volta através de todo o cérebro.

Esse nosso relógio interno de tempo, foi descoberto na década de 1930 pelo fisiologista Hudson Hoagland, ao observar sua mulher, que sofria de um quadro de febre periódica. Ela o acusava, de ficar fora de casa mais tempo do que o tempo real, quando ele saia para fazer algo.

A razão para este fenômeno, acontece pois, a febre, aumenta a velocidade dos impulsos neurais do relógio interno do cérebro, fazendo com que a sensação do tempo exterior (tempo real) seja muito mais lento.

relog_internoEste impulso nervoso do relógio interno do cérebro percorre o caminho completo do cérebro 10 vezes a cada segundo.

Hudson Hoagland, confirmou que pessoas com situações similares a de sua esposa, aceleram a velocidade de seus relógios internos em 20% e que é possível acelerar ou reduzir a velocidade em diferentes situações. O mesmo acontece em situações de stress, onde ocorre o aumento de adrenalina e em situações de tratamentos desagradáveis ou que causem dor. Estas situações provocam uma sensação de tempo muito maior que o tempo real.

Também podem ser observados em casos de acidentes, onde os sobreviventes relatam os fatos como se estes tivessem ocorrido em câmera lenta.

O contrário acontece com as situações de prazer onde a liberação de dopamina (hormônio do prazer/felicidades), provoca sensação de que o tempo exterior passa muito rápido ou seja quando estamos numa situação boa parece que o tempo voa.

A idade também parece mexer com essa calibração do relógio interno. É por esta razão que as pessoas mais velhas tem a sensação de que os anos passam voando e as crianças e adolescentes sentem a passagem do tempo muito lenta.

Matéria Revista – Descubriendo_el_cerebro_y_la_mente
Adaptação e tradução: Norimar José Tolotto